quinta-feira, 26 de setembro de 2013

MAIS QUE MEL

                         

Antonio Carlos Egypto




MAIS QUE MEL (More than Honey).  Suíça, 2012.  Direção: Markus Imhoof.  Documentário.  95 min.


“Mais que Mel” é o título brasileiro equivocado para um documentário suíço que procura mostrar que a importância das abelhas para o mundo vai muito além do mel que elas produzem.  Portanto, o filme deveria se chamar Mais do que Mel.

Com efeito, o que o documentário dirigido por Markus Imhoof nos mostra é que o trabalho de polinização que as abelhas realizam garante um terço de tudo o que a humanidade come.  O filme chega a acompanhar um grupo de norte-americanos que transporta abelhas por todo o país para garantir a produção de frutos nas diversas regiões dos Estados Unidos.  E se preocupam em vencer longas distâncias por terra parando o menos possível para não comprometer a sobrevivência dos insetos. 




O documentário, indicado pela Suíça para a disputa do Oscar de filme estrangeiro, aborda com preocupação a morte crescente das abelhas no mundo.  Cerca de metade delas está morrendo, sem que as razões tenham sido claramente identificadas, nos últimos quinze anos.  Abelhas selvagens são cada vez mais raras.  Uma frase atribuída a Einstein revela a dimensão do problema: “Se as abelhas morrerem, a humanidade morre quatro anos depois”. De outra parte, o documentário constata, com perplexidade, que em algumas regiões da China as abelhas já desapareceram e foram substituídas pela polinização com produtos químicos.

“Mais que Mel” viaja por várias partes do mundo, além das montanhas suíças, tratando do modo de produção de colônias de abelhas, chegando a nos mostrar como se faz para enganar uma colmeia e fazer com que ela alimente 51 rainhas, em lugar da única, como normalmente acontece.  Essas rainhas e uma pequena parte dessa colônia são exportadas, inclusive por pacotes enviados via correio, nos moldes do nosso Sedex.




São muitas e variadas as informações que o documentário nos oferece, embora ele não tenha tido o cuidado de identificar as diversas partes do mundo em que foi filmado.  Distingue-se, quando possível, pela paisagem e pela língua falada: alemão, inglês ou chinês.  Mas a informação fica incompleta, inevitavelmente.

O que, ao contrário, é bastante completo é o conhecimento de como funciona uma colônia de abelhas, o trabalho executado por elas e pelos apicultores, a produção do mel.  Tudo mostrado em detalhes e muito de perto.  Haja zoom.  A câmera entra na colmeia e flagra todos os movimentos, a dança ziguezagueante que elas fazem, o som que produzem, o trabalho em cada favo.  Isso é admirável, o mundo das abelhas revelado ao espectador.  Vale o filme.




No entanto, é preciso voltar às denúncias e preocupações que “Mais que Mel” lança.  Ficamos sabendo que uma nova espécie de abelhas, chamadas abelhas assassinas, resiste ao controle humano e já provocou várias mortes em seu périplo pelas Américas.  Partindo de onde?  De São Paulo, Brasil.  De pesquisas realizadas pela USP, segundo o filme.  Se essas abelhas assustam e até sugerem alguma forma de terrorismo, por outro lado, elas sobrevivem mais e melhor, de forma autônoma, trazendo alguma esperança para a sobrevivência dessa espécie, tão essencial ao nosso mundo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário