quarta-feira, 17 de maio de 2017

A VIDA APÓS A VIDA


Antonio Carlos Egypto




A VIDA APÓS A VIDA.  China, 2016.  Direção e roteiro: Zhang Hanyi.  Com Zhang Li, Zhang Mingjun.  80 min. 


O longa-metragem chinês do cineasta estreante Zhang Hanyi pode ser definido como um filme singelo e, ao mesmo tempo, fantástico.  Ou que trata do fantástico com singeleza.  Ele nos leva à província chinesa de Shanxi, uma espécie de local abandonado pelos próprios moradores, esquecido, parado no tempo.  Obviamente, decadente.  Como diz o protagonista: ninguém mais morre aqui, todo mundo vai embora antes. O cenário é desolador, há muitas árvores, mas todas secas de outono e as casas são escombros ou muito precárias.  A trama é de grande simplicidade, embora apele ao sobrenatural, como o próprio título do filme, “A Vida Após A Vida”.

Ocorre que uma pequena parte dos antigos moradores, que já partiram e morreram, voltam na forma de fantasmas, buscando solucionar questões que deixaram pendentes em suas vidas na Terra, ou, mais precisamente, em Shanxi.

É o caso do espírito de Xiuying, morta há mais de dez anos, que toma o corpo de seu filho Leilei (Zhang Li), para reencontrar o marido, Ming Chu (Zhang Mingjun), e resolver uma coisa importante para ela: mover uma árvore plantada quando se casou.  Aí vemos o filho falando e se comportando como a mãe, em contraste com o que foi mostrado antes, um garoto agitado e contestador.  O jovem Zhang Li se sai muito bem nesse desempenho. Zhang Mingjun, que faz o pai, terá, a todo custo, de resolver a questão do transporte da árvore, o que não se colocará como uma tarefa fácil.  E conviverá com a mulher materializada num adolescente, o que também traz algumas dificuldades interpretativas.




Para quem não tem familiaridade com a complexa cultura chinesa – e oriental --, não é simples entender a relação dos seres humanos com as árvores que os conhecem e com quem têm uma história em comum.  A relação com a natureza é muito forte e simbólica, especialmente numa pequena localidade rural do interior do país.

A transcendência que existe aí também não cabe nos conhecidos parâmetros religiosos ocidentais.  A mulher que morreu não reencarna para viver uma nova vida na Terra.  Ela toma emprestado o corpo de seu filho para poder resolver um problema e, então, se liberar para viver em paz fora da Terra. Também não sei se se coadunaria com algum preceito budista e há que se reconhecer que tem similitude com os espíritos ou entidades que baixam temporariamente em pessoas vivas.

O que é mostrado no filme é que o espírito se apossa da pessoa e continua caminhando pelo campo, observando as árvores, o ambiente, e agindo para alcançar seu objetivo, que é imediato.  Não remete a questões morais, nem de largo espectro.  É, como disse, singelo.




A direção de Zhang Hanyi combina com isso.  Ele não usa nenhum efeito especial, nenhuma fantasmagoria, nem passa perto das possessões que chacoalham as pessoas.  Tudo permanece absolutamente calmo, tranquilo, até desolado, como é a localidade.  A relação do casal, separado pela morte dela, não apresenta nenhuma dramaticidade que ultrapasse a questão em foco, a da árvore.  Embora alguns diálogos remetam ao passado comum, à ausência, à saudade e ao tempo percorrido.  Mas tudo muito discreto.


Uma curiosidade, que recomenda o filme, é que ele é produzido pelo grande diretor Jia Zhang-Ke.  Evidentemente, não se poderia esperar que, por isso, o filme fosse chegar perto do talento do cineasta produtor.  Mas a presença de Zhang-Ke nos créditos abre portas importantes, principalmente nos festivais de cinema pelo mundo.  O filme já passou pelos festivais de Berlim e Hong-Kong.  Neste último, Zhang Hanyi recebeu um prêmio concedido a cineastas estreantes.  Já passou por aqui, no Festival Indie  2016, e agora entra em cartaz no circuito comercial dos cinemas.


Nenhum comentário:

Postar um comentário